LATEST POSTS
Carolina Delboni | Como é difícil dizer Tchau
362
post-template-default,single,single-post,postid-362,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.9,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_responsive

Como é difícil dizer Tchau

Como é difícil dizer Tchau

Segunda parte da viagem…sem crianças, só eu e o maridão em Londres.

A gente passa anos (foram quase 4) se dedicando a uma única coisa e quando surge tempo pra gente mesmo não sabemos o que fazer com ele, como sorrir pra ele no meio de tanta saudade e um coração tão apertado?

A segunda parte da viagem começa difícil…pq. a saudades tá maior que tudo!!! Maior que o prazer de olhar pela janela (no hotel Metropolitan) e ver Londres num final de tarde, em Hyde Park. A gente se perde nas emoções, nos sentimentos e mais, nas lembranças ainda tão recentes e fresquinhas. Pode ser até brega, mas é isso mesmo. A gente se perde no tempo livre só pra gente mesmo; no não fazer nada; no não ter obrigações a não ser passear. É uma descoberta que precisa ser relembrada pra ser adorada. Ficou esquecida nos anos lá atrás e que deram lugar a outras coisas tão mais, ou tanto quanto, importantes. É a dona vida que vai tomando novos rumos…

Quando a gente engravida e tem filhos descobre o que é ser mãe, o que significa o tal do “amor incondicional” que algumas pessoas falam, mas que nunca tinhamos sentido de verdade. A gente passa a viver pra essas criaturinhas que botamos no mundo e, bem ou mal, esquecemos da gente mesmo. Eles são mais importantes que tudo! Até mesmo dos nossos próprios prazeres. Mas a vida não pode ser assim e tá mais é que certa. A gente precisa ter nossos momentos, nossos prazeres, silêncios e respiros. Ufa! Respiro. Ir ao banheiro sem ninguém batendo na porta e chamando “manhê!”. Só não tinha idéia que seria tão dolorido. Dizer tchau pros meus dois meninos e dizer tchau pra um momento que passou e que precisa ser diferente daqui pra frente. Dá aperto mesmo.

Voltei lá atrás, quando eu tinha uns 4 anos e meus pais fizeram uma viagem de 40 dias pra Europa ou Russia, não me lembro. Mas lembro das noites sofridas, longas e vazias no quarto onde eu e minha irmã dormíamos. Lembro da minha tia Fá ao lado da cama contando história pra gente dormir. Tenho um dos livrinhos até hoje. Daí a gente pensa nos nossos filhos, se eles vão dormir tranquilos…a gente sofre pq. eles vão sofrer e isso não tem jeito. Nessas horas é melhor ser pai. juro! é tudo tão mais prático e fácil. e ainda cheio de amor. Mas sabe o que mais? Eu, definitivamente, não dou para dizer Tchau. Essa sou eu.

ps. minha mala não chegou…

2 Comments

  • carla

    16.09.2007 at 18:13 Responder

    Cá…fiquei emocionada com os teus sentimentos…e com os meus. Pais, filhos, saudades…isso mexe muito comigo! Agora quero ser mãe e te entender um pouco melhor.
    🙂
    Tô adorando acompanhar a viagem de vcs!
    Aproveita esse presente!!!
    Bjs no coração
    carlinha

  • Marina

    20.09.2007 at 20:56 Responder

    Chorei..

Post a Comment